Um projeto capitalista

a desuniversalização da saúde coletiva e a incidência do estado sobre os sujeitos

Autores

  • Mariana Bastos Deolindo Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.14295/2764-4979-RC_CR.2023.v3.61

Palavras-chave:

Crise do capital, Saúde pública, Economia, Desuniversalização, Gerencialismo

Resumo

A crise do capitalismo contemporâneo tem sua natureza em duas instâncias: a lei marxiana da queda tendencial da taxa de lucro e o predomínio do capital portador de juros. Compreender esse fato, torna-se fundamental para avançarmos na análise do impacto significativo desta crise sobre a saúde pública universal no contexto brasileiro, e, para além, de como esta crise também recai sobre os sujeitos. Objetiva-se analisar e compreender a desuniversalização da saúde coletiva como resultado de um projeto sócio-político-econômico capitalista. Para tanto, foi realizada uma breve revisão bibliográfica dos artigos que abordam a interseção das áreas de Saúde Coletiva, Política e Economia. Identificou-se que essa busca pela ampliação do lucro se manifesta através da desuniversalização da saúde no âmbito do financiamento do Sistema Único de Saúde – SUS – e por meio da tese de Sílvio Almeida também foi possível evidenciar a incidência e a negligência do Estado capitalista sobre sujeitos considerados não rentáveis para o capital.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Schlickmann R. Administração pública no Brasil: o gerencialismo. Disponível em: https://www.politize.com.br/gerencialismo-administracao-publica/

Mendes Á. A saúde pública brasileira no contexto da crise do Estado ou do capitalismo?. Saude Soc. 2015;24(suppl 1):66-81. https://doi.org/10.1590/S0104-12902015S01006. DOI: https://doi.org/10.1590/s0104-12902015s01006

Marx K. O capital: crítica da economia política. São Paulo: Nova Cultural, 1985. Lv.1, Vol. 2.

Mendes Á, Carnut L. Capital, estado, crise e a saúde pública brasileira: golpe e desfinanciamento. SER Soc. 2020;22(46):9-32. https://doi.org/10.26512/ser_social.v22i46.25260. DOI: https://doi.org/10.26512/ser_social.v22i46.25260

Almeida S. Racismo estrutural. São Paulo: Pólen; 2019.

Santos Neto AB. Trabalho produtivo e trabalho improdutivo nas “teorias da mais-valia” de Karl Marx. Em Debate. 2012;1(8);5-22. https://doi.org/10.5007/1980-3532.2012n8p5. DOI: https://doi.org/10.5007/1980-3532.2012n8p5

Marx K. Teorias da mais-valia: história crítica do pensamento econômico. São Paulo: Civilização Brasileira; 1980. Lv. 4, Vol. 1.

Núcleo de Operações e Inteligência em Saúde. Diferenças sociais: pretos e pardos morrem mais de COVID-19 do que brancos, segundo NT11 do NOIS. Rio de Janeiro: CTC/PUC-Rio; 27 maio 2020. Disponível em: https://www.ctc.puc-rio.br/diferencas-sociais-confirmam-que-pretos-e-pardos-morrem-mais-de-covid-19-do-que-brancos-segundo-nt11-do-nois/

Instituto Polis. Vacina contra covid-19 na cidade de São Paulo: uma proposta de abordagem territorial. São Paulo: Polis; 18 fev. 2021. Disponível em: https://polis.org.br/noticias/vacina-contra-covid-19-na-cidade-de-sao-paulo-uma-proposta-de-abordagem-territorial/

Mbembe A. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. Santini R, tradutor. São Paulo: N-1 Edições; 2018.

Downloads

Publicado

2023-10-17

Como Citar

1.
Bastos Deolindo M. Um projeto capitalista: a desuniversalização da saúde coletiva e a incidência do estado sobre os sujeitos. Crit. Revolucionária [Internet]. 17º de outubro de 2023 [citado 26º de fevereiro de 2024];3:e006. Disponível em: https://criticarevolucionaria.com.br/revolucionaria/article/view/61