Crítica Revolucionária https://criticarevolucionaria.com.br/revolucionaria Crítica Revolucionária pt-BR Crítica Revolucionária 2764-4979 Pensamiento de Ávalos sobre la Pertinencia contemporánea de la filosofía política de Marx https://criticarevolucionaria.com.br/revolucionaria/article/view/23 <p>Ávalos, Gerardo. Ética y Política en Karl Marx. México: Universidad Autónoma Metropolititana-Xochimilco, Editorial Terracota, 2021.</p> <p>Refere-se a uma Resenha do livro de Gerardo Ávalos, <em>Ética y Política en Karl Marx</em>. O livro de Gerardo Ávalos, ao nos oferecer a profunda contribuição de Marx, não através de uma perspectiva econômica de seu pensamento, mas sobretudo na valorização de sua fonte filosófica política em sua crítica à economia política, reforça o entendimento deste filósofo. de Tréveris, como mencionado por Gerardo, sobre a compreensão da sociedade moderna, sua lógica estruturante, sua organização mundial e suas contradições. Para assegurar um fio condutor sobre o caráter revolucionário da contribuição de Marx, valorizando sua ética e sua política, Ávalos traça um percurso altamente articulado entre seus 8 capítulos, proporcionando um itinerário de leitura e reflexão cada vez mais prazeroso e profundo.</p> Áquilas Mendes Copyright (c) 2023 Crítica Revolucionária https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2023-09-15 2023-09-15 3 e001 e001 10.14295/2764-4979/CR_RC.2023.v3.23 O latino-americanismo do movimento feminista https://criticarevolucionaria.com.br/revolucionaria/article/view/62 <p>Em março de 2023, a Corte Interamericana de Direitos Humanos convocou uma audiência de testemunhas e especialistas para avançar no julgamento do caso Beatriz. A ação impulsada pela família da jovem contra o estado de El Salvador baseou-se na proibição de interromper uma gravidez com feto anencéfalo em 2013, situação que agravou as doenças autoimunes que sofria. Organizações feministas salvadorenhas convocaram suas congêneres latino-americanas a estarem presentes nas ruas de San José, na Costa Rica, para apoiar a família de Beatriz na luta pela garantia da autonomia das mulheres e pessoas com possibilidade de gestar. Este projeto fotográfico busca trazer elementos visuais para tornar visível o que aconteceu naqueles dias, mostrando diferentes cenas daquele momento que pode significar um marco no avanço da justiça reprodutiva em toda a região.</p> Carla Angelini Copyright (c) 2023 Crítica Revolucionária https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2023-11-28 2023-11-28 3 e004 e004 10.14295/2764-4979-RC_CR.2023.v3.62 O trabalho abstrato em Marx a partir de Isaak Rubin e Juan Cesar García https://criticarevolucionaria.com.br/revolucionaria/article/view/15 <p>O duplo caráter do trabalho, considerado um dos pontos centrais da teoria do valor de Marx, apresenta diferentes abordagens dentro do pensamento marxista. Isaak Illich Rubin, considerado um dos mais importantes intérpretes da teoria do valor, em sua obra “Ensaios sobre a Teoria do Valor de Marx”, discute os principais elementos definidores do trabalho abstrato e analisa suas concepções mais usuais, reforçando a centralidade da troca e da transformação em trabalho social. No campo da saúde, o médico e sociólogo argentino Juan César García também discute sobre o duplo caráter do trabalho e, apesar de se inserir numa linha de pensamento criticada por Rubin, traz o olhar sobre a relação entre o trabalho e o processo saúde-doença. Desde o debate entre as contribuições/reflexões sobre o trabalho abstrato na obra de Rubin e García, este artigo traça as contradições e aproximações importantes à construção do pensamento marxista entre estes dois autores.</p> Milton Santos Martins da Silva Amanda Bezerra da Silva Leite Isabela Poscidonio Santos Mariana de Souza Lima Rambaldi Simone Gabriele Piccoli Beatriz Thiago Ferreira de Almeida Copyright (c) 2023 Crítica Revolucionária https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-02-19 2024-02-19 3 e012 e012 10.14295/2764-4979-RC_CR.2023.v3.15 Pensamento econômico de cristina possas sobre a população excedente no capitalismo latino-americano e suas consequências em Sarah Escorel e Hayda Alves https://criticarevolucionaria.com.br/revolucionaria/article/view/54 <p>A superpopulação relativa, conceito da teoria marxista, determina que o capitalismo tenha o exército industrial de reserva, composto por uma população trabalhadora adicional ou supérflua, além do que o sistema capitalista realmente necessite. O objetivo deste artigo é analisar como Cristina Possas conceitua esta superpopulação, dialogando estritamente com o olhar teórico, tratando a marginalização como uma das consequências inerentes ao capitalismo, e como, 22 anos após, Sarah Maria Escorel de Moraes e Hayda Josiane Alves repaginam o tema da marginalização, trazendo abrangência sobre os reais impactos que a exclusão social pode gerar na sociedade e no ser humano. Usou-se o ensaio crítico como modalidade textual e como método de análise do conteúdo.</p> Alex Henrique Brasil Brião de Oliveira Arthur Pilavdjian Claudia Maria Venegas Kaune Gláucio Nóbrega de Souza José Ricardo Casarin Costa Lucas Ming Chian Sun Michelle Louise Kormann Sabrina Goretti da Silva Copyright (c) 2023 Crítica Revolucionária https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-01-15 2024-01-15 3 e009 e009 10.14295/2764-4979-RC_CR.2023.v3.54 Sobre os conceitos de “forma-Estado” e “forma-império” no pensamento de Gerardo Ávalos https://criticarevolucionaria.com.br/revolucionaria/article/view/75 <p>Este texto busca analisar a construção teórica dos conceito “forma-Estado” e “forma-império” no pensamento do teórico mexicano, Gerardo Ávalos. Buscamos localizar o Estado capitalista conceitualmente como uma forma moderna de existência das relações políticas. Neste autor, encontramos uma teorização do Estado entendido como uma categoria da sociedade moderna, que sintetiza um processo relacional, fundamentado em uma contradição da política como ordem comunitária e sua forma institucionalizada de exercício do poder e dominação social que devém da forma valor como universo racional da sociedade capitalista. Essa interpretação rompe com a principais escolas de pensamento dentro do marxismo em relação ao tema do “político” e do Estado capitalista.</p> Hugo Rezende Tavares Copyright (c) 2023 Crítica Revolucionária https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-01-23 2024-01-23 3 e011 e011 10.14295/2764-4979-RC_CR.2023.v3.75 Pensamento político-econômico em saúde de Nelson Rodrigues dos Santos e o olhar para o gasto público de Thomas Porcher https://criticarevolucionaria.com.br/revolucionaria/article/view/55 <p>Neste ensaio, com olhar para o pensamento político-econômico em saúde, destacam-se as principais contribuições de Nelson Rodrigues dos Santos contidas em um de seus importantes trabalhos: “O Dilema Estatista II: Como é forjado o espaço das Políticas Públicas com exemplos da Área da Saúde”; médico e gestor público de saúde, foi um dos principais atores da Reforma Sanitária Brasileira. Ao mesmo tempo, procura-se inserir na análise de Santos, aspectos do artigo de Thomas Porcher “Gasto Público: por que tanto ódio?”, um economista e professor francês, crítico da economia ortodoxa e da austeridade fiscal. O nosso objetivo foi buscar uma articulação entre os dois autores. Como método, foi utilizada a análise de conteúdo e, estruturalmente, dividiu-se o texto em três partes: breve biografia dos autores, apresentação propriamente dita das contribuições para o campo da política econômica contidas nos textos pré-selecionados e considerações finais.</p> Andrey Oliveira da Cruz Camila de Brito Pontes Farid Samaan Jennifer Rezende Laura Soares Tupinambá Mauricio Hideki Yague Leite Viviane Regina Oliveira Copyright (c) 2023 Crítica Revolucionária https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2023-12-05 2023-12-05 3 e008 e008 10.14295/2764-4979-RC_CR.2023.v3.55 Veganismo e marxismo https://criticarevolucionaria.com.br/revolucionaria/article/view/60 <p>O veganismo é considerado como uma filosofia e estilo de vida que abole o uso dos animais nas atividades humanas, e assume ações que podem afetar a realidade material de acordo com sua vertente. O marxismo totaliza em um saber unitário e integrado sua posição crítica acerca da exploração humana feita pelo modo capitalista de produção, e propõe um projeto revolucionário para sua superação. O objetivo é discutir as dimensões políticas do veganismo, e aferir se existem convergências possíveis com as ideias marxistas críticas da forma estado. A análise é feita através de fundamentação teórica crítica e sua comparação com a literatura sobre veganismo. Conclui-se que existe convergência entre marxismo com a vertente vegana anticapitalista, pois a erosão do capitalismo e a emancipação da classe trabalhadora é considerado essencial ao seu projeto de libertação total dos seres sencientes.</p> <p><span style="font-weight: 400;"> </span></p> Jesus de Oliveira Copyright (c) 2023 Crítica Revolucionária https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2023-11-28 2023-11-28 3 e007 e007 10.14295/2764-4979-RC_CR.2023.v3.60 Rumo a outra psicologia do fascismo https://criticarevolucionaria.com.br/revolucionaria/article/view/78 <p>Este artigo traça uma proposta crítica de abordagem psicológica ddos movimentos de extrema direita, particularmente o fascismo e o neofascismo, para elucidar a sua origem no processo de fascistização concebido como a produção da normopatia. Depois de questionarmos os trabalhos que procuram psicopatologizar líderes e grupos de extrema-direita apresentando-os como anormais, argumentamos a favor do reconhecimento do seu carácter cada vez mais normal, explicando-o pelo facto conjuntural da direitização e pelo fator estrutural da banalidade do mal. Mostra-se como esta normalização e normalidade da patologia acarreta uma patologia da normalidade cuja versão antissocial ou psicopática é descrita como normopática e está associada ao sistema socioeconómico do capitalismo e às suas derivas políticas fascistas e neofascistas. A normopatia, ilustrada pelo nazismo alemão e a sua continuação através de uma certa forma extrema de sionismo israelita, é definida como um problema de normatividade que é político, não psicológico, e que não deve, portanto, ser psicologizado e despolitizado.</p> David Pavón-Cuéllar Copyright (c) 2023 Crítica Revolucionária https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-02-26 2024-02-26 3 e013 e013 10.14295/2764-4979-RC_CR.2023.v3.78 Mingas https://criticarevolucionaria.com.br/revolucionaria/article/view/7 <p>Este texto faz parte do meu proprio processo para enunciar um tema de interesse que alcance a ser trabalhado como uma proposta de pesquisa de doutorado. Por isso é apenas um esboço de preocupações e ideias para que, antes de dar voltas naquilo que poderia ser “o jogo” como aposta compreensiva, é necessário estabelecer algumas noções ao redor do <em>Consejo Regional Indígena del Cauca</em> e fazer algumas anotações sobre as Mingas, para pensar em propor uma leitura crítica.</p> Milena Estefanía Rodríguez Aza Copyright (c) 2023 Crítica Revolucionária https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2023-09-27 2023-09-27 3 e002 e002 10.14295/2764-4979-RC_CR.2023.v3.7 Um projeto capitalista https://criticarevolucionaria.com.br/revolucionaria/article/view/61 <p>A crise do capitalismo contemporâneo tem sua natureza em duas instâncias: a lei marxiana da queda tendencial da taxa de lucro e o predomínio do capital portador de juros. Compreender esse fato, torna-se fundamental para avançarmos na análise do impacto significativo desta crise sobre a saúde pública universal no contexto brasileiro, e, para além, de como esta crise também recai sobre os sujeitos. Objetiva-se analisar e compreender a desuniversalização da saúde coletiva como resultado de um projeto sócio-político-econômico capitalista. Para tanto, foi realizada uma breve revisão bibliográfica dos artigos que abordam a interseção das áreas de Saúde Coletiva, Política e Economia. Identificou-se que essa busca pela ampliação do lucro se manifesta através da desuniversalização da saúde no âmbito do financiamento do Sistema Único de Saúde – SUS – e por meio da tese de Sílvio Almeida também foi possível evidenciar a incidência e a negligência do Estado capitalista sobre sujeitos considerados não rentáveis para o capital.</p> Mariana Bastos Deolindo Copyright (c) 2023 Crítica Revolucionária https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2023-10-17 2023-10-17 3 e006 e006 10.14295/2764-4979-RC_CR.2023.v3.61 Schelling, Hegel, Marx e Lukács https://criticarevolucionaria.com.br/revolucionaria/article/view/77 <p>O artigo presente apresenta de forma breve e esquemática algumas ideias relacionadas à perspectiva da totalidade e do historicismo na compreensão do ser social. Para isso, recorre ao pensamento da filosofia clássica alemã (especialmente Schelling e Hegel), bem como às obras de Karl Marx, Friedrich Engels e Georg Lukács. A ideia que estrutura todo o texto é que as relações sociais atuais só podem ser corretamente compreendidas como uma totalidade complexa e antagônica em desenvolvimento histórico, cujo momento decisivo é o modo dominante de produção social. Neste sentido, conclui-se apresentando a posição marxista-lukacsiana em relação à totalidade das relações sociais e os indivíduos, mediados por diversos complexos sociais, concebidos como termos inseparáveis do desenvolvimento histórico do ser social.</p> Manuel Samaja Copyright (c) 2023 Crítica Revolucionária https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2024-01-23 2024-01-23 3 e010 e010 10.14295/2764-4979-RC_CR.2023.v3.77 Fascismo na Colômbia https://criticarevolucionaria.com.br/revolucionaria/article/view/19 <p>Este escrito pretende refletir sobre a existência do fascismo na Colômbia. O uso do conceito é uma questão de debate nos setores acadêmico, social e político. Por um lado, fala-se da impertinência de seu uso ao cair em exagero ou anacronismo; por outro lado, optam-se por termos como autoritarismo ou populismo. Por isso nos perguntamos: é válido falar de fascismo na Colômbia? Para responder, a carta é composta de duas partes. A primeira reflete sobre algumas características do fascismo; é feito na forma de teses que servem para análise e discussão. A partir dessas premissas, na segunda parte se posiciona o contexto da Colômbia. A ênfase é colocada em dois elementos: a militarização e o anticomunismo como forma de construir um inimigo interno. A reflexão conclui que as práticas fascistas foram desenvolvidas e mantidas na Colômbia; consequentemente, é viável e necessário utilizar o conceito.</p> Angela Navia Copyright (c) 2023 Crítica Revolucionária https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2023-10-03 2023-10-03 3 e003 e003 10.14295/2764-4979-RC_CR.2023.v3.19 Neofascismo(s) latino-americano(s) i – do fascismo ao neofascismo https://criticarevolucionaria.com.br/revolucionaria/article/view/13 <p>Este artigo trata da (re)construção histórica desde o uso da categoria ‘fascismo’ e suas especificidades para pensar a América Latina até o uso da categoria ‘neofascismo’ e suas aplicações. Este artigo é a primeira parte de um tríptico que apresenta as fases do debate sobre o neofascismo na América Latina. Metodologicamente, optou-se por uma análise histórico-crítica da categoria por meio de uma compilação do debate encontrado por autores clássicos e contemporâneos que discutem o tema. Neste artigo em específico, três seções foram elaboradas. Uma primeira que trata do problema da categoria ‘fascismo’ e seu debate em contraponto ao neofascismo na região. Uma segunda que apresenta o debate latino-americano e as categorias centrais que precisam ser revistas para um debate sobre a realidade concreta da região. E, uma terceira, que trata da emergência do ‘neofascismo’ na tentativa de diferenciar-se do fascismo vivido nos anos de 1930. Por fim, considerações parciais foram levantadas.</p> Leonardo Carnut Copyright (c) 2023 Crítica Revolucionária https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2023-10-16 2023-10-16 3 e005 e005 10.14295/2764-4979/CR_RC.2023.v3.13